Narratologia Essencial para GameDevs ‐ Propp e a Estrutura para Games. Por Janaina L. Azevedo, colunista do Drops de Jogos

Como esta é a primeira publicação que faço aqui no Drops de Jogos, é bom explicar tudo bem direitinho: Narratologismos é uma coluna voltada ao estudo e à compreensão das Narrativas nos Games. Entretanto, eu ainda não pretendo mergulhar de cara em análises e comentários sobre este ou aquele jogo. Como esta é uma coluna pensada para desenvolvedores, o plano é bem mais simples que isso: Vamos começar do básico, do elementar para quem quer produzir jogos calcados e fundamentados em boas narrativas, em interatividade, em transmidiação. Vamos entender, nesta primeira instância, o que é Narratologia.

Foto: Divulgação

A Narratologia – isto é, a ciência que estuda as narrativas , tanto ficcionais quanto não ficcionais – surgiu e consolidou-se a partir dos estudos de duas escolas teóricas distintas, que não são as únicas bases de tal campo de estudo: A Escola de Semiologia Francesa, contando com nomes expoentes como o de Roland Barthes, e a chamada Escola Formalista Russa, de A.J. Greimas, Vladimir Propp e outros. Obviamente, também não podemos falar de Narratologia sem citar um dos grandes mestres, e que nos deixou, infelizmente, há bem pouco tempo, como foi o caso de Umberto Eco. Quem realmente propôs o nome foi, na verdade, o teórico russo Tzvetan Todorov, para que os estudos sobre as narrativas se diferenciassem dos estudos acerca da teoria e crítica de literatura. A Narratologia se ocupa também de narrativas não ficcionais, como as históricas, as reportagens, os documentários, etc.

E por que começamos aqui? Por que a Narratologia é um campo de estudos particularmente útil para o roteiro audiovisual de maneira geral e, para Game Designers e Game Developers, um estudo de suma importância para quem está produzindo jogos.

Para tanto, é necessário encarar a Narratologia, mais do que como uma ciência de análise, como uma ciência de criação e construção do objeto simbólico. O GameDev pode se valer da Narratologia para fazer mais do que Críticas de Jogos ou Análises. Ele pode utilizar os paradigmas e estruturas universais percebidos e analisados pela Narratologia Clássica e Contemporânea para construir suas próprias narrativas. É mais uma ferramenta disponível para seu Design.

Por isso, a proposta, neste início, é abrir com alguns autores e estruturas da Narratologia Clássica – e para isso, começamos com Vladimir Propp, que definiu em sua obra "A Morfologia dos Contos de Fadas" muitos dos elementos básicos das narrativas de forma geral. Ele fez isso a partir dos estudos que realizou acerca dos contos de fadas russos.

Propp identificou, basicamente, sete tipos ou classes de personagens (os agentes da narrativa) e 31 funções narrativas aplicáveis às situações dramáticas. Embora, obviamente, essas categorizações não devam ser tomadas como verdades universais, elas podem auxiliar em muito a construção e o design do jogo para o GameDev. Por exemplo, Propp demonstra que, de maneira geral, as histórias populares têm, em geral uma estrutura bastante simples – ou seja, apresenta-se um herói / protagonista, que sofre uma perda ou tem uma carência ou falta em sua natureza mais essencial – e é o ato de recuperação, restituição ou superação que norteia, encorpa e dá vida á narrativa. É a ação norteada a alcançar um determinado objetivo que faz a história, e também delimita os papéis clássicos que as personas representarão na narrativa: sempre haverá o agressor (aquele que faz o mal), o doador (aquele que cede ao herói ou protagonista um objeto de poder), o ajudante (que dá suporte ao herói, nem que seja um suporte cômico), o par romântico e a figura parental (que estabelecem um objetivo a ser conquistado, um "reino para salvar", um "dragão para matar"), o mentor (aquele que dá as ordens e direciona o herói), e por fim, o próprio herói e o falso herói que a ele se contrapõe.

Quer ver como isso se articula numa narrativa de jogo bem simples? Peguemos o caso do jogo Super Mario Bros da Nintendo: O papel do Herói é aquele que nomeia o jogo, Mario. Também não é difícil nomear seu ajudante – Luigi – e o Agressor – o Rei Bowser Koppa. Há vários personagens (em micronarrativas cíclicas) que se apresentam como doadores, ajudando Mario e Luigi em sua Jornada, e o mais interessante é que, em muitos momentos, eles também podem ser ou ter sido Falsos Heróis e quase antagonistas – como Wario e Waluigi, ou como Birdo, ou como alguns dos Koppas. A Princesa Peach é um personagem que incorpora tanto a figura do par romântico, quanto a figura parental do governante. O mais difícil de definir, nas narrativas deste jogo específico é, por exemplo, quem é o Mentor. 

Se considerarmos apenas a história ali contada, podemos ter que a figura do mentor aparece personaficada por personagens como Toad e Yoshi, porque eles instruem o jogador e dão dicas diversas no decorrer do jogo. Enquanto Toad é uma criaturinha peculiar que serve de conselheiro aos irmãos Mario dizendo o que precisam fazer, ou apenas avisando que a Princesa está em outro castelo, Yoshi quando era jovem ajudou Mario em sua infância levando-o para os pais. Ele também desempenhou o papel de ajudante.

Mas quando tratamos de narrativas interativas, especialmente as de caráter lúdico, como as que se desenvolvem nos jogos digitais, nada é tão simples. Uma vez que o jogador – ou os jogadores fazem parte da narrativa – e interagem com ela, e a modificam, e a constróem, destróem e reconstróem, dentro e fora do cenário que imaginamos a este jogador.

Ainda tomando Super Mario como modelo, é preciso pensar: Qual dos papéis narratológicos estabelecidos por Propp, por exemplo, compete ao jogador? O de herói? Ou seria ele um falso herói? O de ajudante ou o de mentor? Cabe ao jogador perverter os demais papéis narrativos? Ele é capaz e tem poder investido para saltar entre um papel e outro? Ele pode transplantar a narrativa para além da arena na qual ela foi criada e perverter cenários e articulações não previamente concebidos pelos criadores do jogo?

Essas são as motivações que levaram á criação desta coluna, Narratologismos e este é um espaço de discussão, para construção (e desconstrução) do Saber. Sejam todos bem-vindos.

Janaina L. Azevedo é educadora e tradutora, workhaholic antes de virar modinha dizer que é (a diferentona). Autora da coluna semanal Narratologismos. É também mestranda em Mídia e Tecnologia na UNESP Bauru, onde faz parte do GEMS – Grupo de Estudos em Games, Educação, Mídia e Sentido,e atua como pós-graduanda associada junto ao PET RTV -, do Programa de Educação Tutorial Interdisciplinar de Rádio e TV. É a Mãe do Dante (o cachorro mais infernal e lindo deste mundo). Se formou em Linguística pela FFLCH – USP, e fala Latim e Grego Antigo. Bruxa nas horas vagas (se é que tem alguma), ainda joga MMORPGs e RPG de Mesa, prefere Storytelling, mas AMA mestrar TOON.  Feminista não tão Suave, CDF em tempo integral, e não está em busca do Princípe Encantado. Mantém o site Gaia Sofia sobre Educação; a Casa de Janaina, sobre Empoderamento Feminino e o Ludaria Game Studio, de jogos independentes.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Negócios