Conheça o Preta Game Jam

Atividade quer construir protótipos de videogames e narrativas transmídia a partir de matrizes afro-brasileiras

Preta Game Jam. Foto: Divulgação

O Drops de Jogos recebeu o seguinte release:

Bem vindo, bem vinda e bem vinde à Preta Game Jam!

Nesta atividade, propomos a construção de protótipos de videogames e narrativas transmídia a partir de métodos e pensamentos que partam de matrizes afro-brasileiras.

A Preta Game Jam nasce a partir da pesquisa de doutorado em andamento, de Jaderson Souza, intitulada de “ Videogame Ancestral: enfrentamento do epistemicídio negro a partir da criação de jogos digitais afro-brasileiros”. A pesquisa é realizada no programa Diversitas, da Universidade de São Paulo. Já a atividade ocorre em parceria com a G4C América Latina.

Preta Game Jam. Foto: Divulgação

Pensemos o seguinte. Em nosso dia-a-dia, somos levados a pensar e agir a partir de correntes de pensamento que partem de algum lugar. No nosso caso, enquanto país colonizado por Portugal, estas matrizes de pensamento partem da Europa.

Isso também vale para os games. A maioria absoluta (senão todos) os jogos digitais que conhecemos através da indústria, partem de formatos e ideias cuja matriz se baseia no pensamento eurocêntrico. Por exemplo, poderíamos falar de mecânicas de jogos, representações de personagens, ou até mesmo de arquétipos narrativos como a jornada do herói.

Partindo da compreensão dos processos de colonização, e principalmente sobre a história das pessoas pretas no Brasil, estes mecanismos acabam provocando o sufocamento de ideias que partem de lugares diferentes deles. Por exemplo, as culturas de matrizes africanas.

Lidando com as possíveis contradições de citarmos um português nesse mesmo texto, o pesquisador Boaventura de Sousa Santos chama este processo de epistemicídio. Ou seja: o apagamento e a destruição de saberes e culturas não assimiladas pela cultura branca e ocidental.

Assim, através de uma ação prática e afirmativa, propomos nesta primeira edição da Preta Game Jam, uma temática especial:

A mitologia Iorubá.

Para que possamos abordar um tipo de cultura que pouco conhecemos, convidamos pessoas de Terreiro para que possamos aprender com elas. Tratam-se de pessoas muito envolvidas com a comunidade, que podem nos ensinar sobre o conjunto de princípios que regem tais culturas. Assim, partimos de antemão para um processo de produção partilhada entre academia e comunidade.

Também estarão presentes desenvolvedores de games que, com sua vasta experiência na área, poderão dividir conosco um espaço muito interessante para a criação de protótipos de videogame afrocentrados.

Metodologia

Nesta game jam, utilizaremos uma metodologia baseada no programa Contos de Ifá, de Mãe Beth de Oxum. O trabalho de Mãe Beth é referência fundamental para a pesquisa acadêmica em andamento e que dá embasamento teórico para a Preta Game Jam.

Coordenando o Ponto de Cultura Côco de Umbigada, em Olinda, Pernambuco, Mãe Beth realiza um método de construção de videogames que prioriza a promoção da identidade preta a partir de games roteirizados com mitologias afro-brasileiras.

De maneira simplificada, teremos:

  1. Através da consultoria de uma referência de terreiro, Zezé Ifatolá, teremos uma fala sobre ensinamentos ancestrais. Zezé irá apresentar elementos de cosmogonia (visões de mundo) que partem das matrizes Iorubá;
  2. A partir de sua fala, anunciaremos a temática geral da Preta Game Jam;
  3. Nesta etapa, teremos a formação de grupos e o início oficial dos trabalhos de desenvolvimento.

Durante o horário oficial da Preta Game Jam, contaremos com a mentoria de Zezé Ifatolá. Contamos também com a mediação do prof. Murilo Santana, profissional da área de games e que poderá auxiliar participantes com relação à questões técnicas.

Pagamento de inscrições e vagas

A Preta Jam conta com 25 vagas, sendo 20 vagas reservadas para pessoas auto declaradas pretas.

Na organização da Preta Jam, temos assegurado 100% de gratuidade no evento geral para pessoas pretas. O Festival Games For Change América Latina oferece 20 vagas nesta modalidade. Desta forma, caso você se identifique como uma pessoa preta e queira acessar o evento por conta da Preta Jam, envie um e-mail para: contato@gamearte.art.br, contendo:

  • Nome completo
  • Cidade/Estado
  • Endereço de e-mail
  • Telefone

Iremos encaminhar a lista para a organização geral do festival, assegurando as inscrições de acordo com a ordem de chegada.

Auto declaração

Buscando repensar quem são xs protagonistas no processo de criação de jogos, um dos objetivos da Preta Game Jam é assegurar a participação de pessoas pretas durante as atividades.

Desta forma, seguindo parâmetros semelhantes ao programa de Pós-Graduação em Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades (Diversitas), da Universidade de São Paulo, reservamos 80% dos aceites de inscrição para pessoas pretas.

O processo seguirá o modelo de auto declaração, não havendo um comitê para a validação das cotas. Pedimos que você tenha responsabilidade na auto-declaração, para que possamos realizar esta ação afirmativa e contemplarmos, de fato, pessoas que consideramos importantes no processo de pesquisa acadêmica na qual esta atividade se baseia.

Serviço

Preta Game Jam no vigésimo Festival Games For Change América Latina

Quando: 7, 8 e 9 de dezembro de 2020, das 13h às 18h

Site oficial do evento: https://latam.gamesforchange.org

Solicitações de inscrição para a Preta Game Jam:

contato@gamearte.art.br

  • Nome completo
  • Cidade/Estado
  • Endereço de e-mail
  • Telefone

Texto: Jaderson Souza :: @talktojaderson

LEIA MAIS – Drops de Jogos discute como falar de games e política

“Metal Gear mistura guerra e narrativa surreal”, disse fã que tem braço biônico inspirado em Big Boss

Tony Hawk’s Pro Skater 1+2 com Charlie Brown Jr, uma resenha

Death Stranding, a resenha em tempos de coronavírus. Por Pedro Zambarda

Conheça o projeto Indie BR em 5

Conheça mais sobre o trabalho do Drops de Jogos acima.

Veja mais sobre a Geek Conteúdo, a produtora da Rádio Geek, parceira do Drops de Jogos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.