Tribo do Acre criou game para preservar ancestralidade e cultura indígena

Por meio da imersão no universo Huni Kuin os jogadores podem entrar em contato com os saberes indígenas, como os cantos, grafismos, histórias, mitos e rituais deste povo.

  • por em 21 de agosto de 2016
Imagem: Hypeness

Uma comunidade indígena localizada no Acre criou seu próprio videogame para preservar as histórias ancestrais de seu povo e os valores culturais indígenas.

O projeto digital Huni Kuin: Os Caminhos da Jiboia foi produzido pelos índios da comunidade Kaxinawá em parceria com profissionais de arte e tecnologia e a colaboração de estudantes de pós-graduação em antropologia da Universidade de São Paulo, USP.

"O jogo eletrônico Huni Kuin: Yube Baitana foi desenvolvido a fim de abordar a cultura do povo Kaxinawá (ou Huni Kuin, como os próprios costumam se denominar), a fim de possibilitar uma experiência de intercâmbio de conhecimentos e memórias indígenas por meio de uma nova linguagem: os videogames", informa o texto da página Colaborações etnográficas, no Facebook, evento que apresentou detalhes do desenvolvimento do game.

Um jovem caçador e sua irmã artesã viverão uma série de desafios para se tornarem, respectivamente, um curandeiro (mukaya) e uma mestra dos desenhos (kene). Nesta jornada, eles adquirirão habilidades e conhecimentos de seus ancestrais, dos animais, das plantas e dos espíritos.

Por meio da imersão no universo Huni Kuin os jogadores podem entrar em contato com os saberes indígenas, como os cantos, grafismos, histórias, mitos e rituais deste povo, levando um pouco dessa cultura para a sociedade brasileira através dos meios digitais.

Juntos, os criadores do game formaram o coletivo Beya Xinã Bena, ou Cultura Novo Tempo, voltado a de produções audiovisuais. Mais informações sobre o game podem ser encontradas no site do projeto.

Para baixar o game, que está disponível gratuitamente para PC e Mac, basta clicar neste link.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.

Via Hypeness

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Cultura