Dados demonstram a piora do cenário de games no Brasil e não deve melhorar, afirma desenvolvedor

A tendência, acredita, será uma queda ainda mais expressiva neste ano.

  • por em 26 de fevereiro de 2020

Imagem: reprodução

ATUALIZAÇÃO: A queda de arrecadação de 2018 para 2019 não foi de US$ 500 milhões, como originalmente recebido, mas de US$ 50 milhões. A informação foi corrigida.

Apesar da crescente quantidade de lançamento de jogos brasileiros nas plataformas digitais, incluindo as produções para consoles, o panorama geral do mercado de games no Brasil apresentou queda no volume de negócios de 2018 para 2019.

A apuração foi realizada pelo desenvolvedor do Rio de Janeiro José Lúcio “SLotman”, com base em dados disponíveis online.

Segundo SLotman, “no ranking da ‘renda gerada’ com jogos no mundo”, o país perdeu duas posições.

“Ano passado (dados de 2018) tinha voltado ao patamar que ocupava em 2015: a 11ª posição, com US$1.5Bi de renda gerada. [Em 2019] caímos para renda de US$1.45Bi. São 50 MILHÕES de dólares a menos. Despencamos da 11ª posição, para a 13ª”, comentou, em postagem no Facebook.

“A tal ‘redução de impostos dos jogos’ do Bolsonaro não teve efeito prático nenhum e o mercado encolheu”, ressaltou.

SLotman é produtor e CEO da Icon Games, empresa que desenvolve jogos digitais desde 2003, com alguns games recentes voltados à crítica política e projetos de grande destaque, como Bola de Gude e Mahjong Max, entre outros. este mês, a icon Games apresentou uma prévia de seu card game Retro Fight, na Game Expo Rio.

A tendência, acredita, será uma queda ainda mais expressiva neste ano. “Ainda mais se essa cotação do dólar se mantiver”, desabafou.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.