Geeks uruguaios recriam o clássico Pong em mesa com partes mecânicas e tecnologia digital

"Estamos à procura de uma incubadora de hardware para nos ajudar a conseguir um produto comercializável", afirmou o idealizador do projeto.

  • por em 27 de agosto de 2016

Daniel Perdomo e dois amigos recriaram o clássico jogo de arcade Pong, de 1972, em versão física, com partes mecânicas e jogável sobre uma mesa especialmente construída para a criação.

A "bola quadrada" mais famosa dos videogames desliza sobre uma superfície de vidro, impulsionada pelas raquetes retangulares, que correm longitudinalmente pelas extremidades da mesa. O conjunto funciona por meio de um mecanismo que envolve sistemas digitais, polias, hastes metálicas e ímãs que conectam os elementos do game por baixo do vidro e permitem a dinâmica do gameplay.

O projeto levou dois anos para ser concluído e o idealizador da obra, profissional de computação gráfica que produziu várias visualizações do projeto em 3D, precisou recorrer à internet para aprender a solucionar a parte técnica da ideia.

"A idéia surgiu há cerca de dois anos, enquanto brincava com a minha filha usando um imã", explicou Perdomo em entrevista ao Montevideo Portal, "Tudo o que fizemos foi colocar um ímã sobre a mesa e passar outro por debaixo".

Os produtores contataram Nolan Bushnell, fundador da Atari e criador de Pong, para contar sobre a produção. "[Ele] nós felicitou, disse que o projeto era muito bom e nos deu permissão para seguir em frente", informou. 

Agora, o grupo quer dar continuidade ao projeto, abrindo a oportunidade de comercialização ao vasto público de interessados. "Estamos à procura de uma incubadora de hardware para nos ajudar". continuou. "Precisamos de pessoas qualificadas para nos ajudar a conseguir um produto manufacturável e comercializável, porque tem enorme demanda", acredita.

As novidades sobre o projeto podem ser conferidas na fanpage do Table Pong Project, no Facebook.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indie