Levantamento aponta que há 13 associações regionais de games no Brasil

Levantamento de Pedro Zambon, que foi complementado por outras informações

Levantamento aponta que há 13 associações de games no Brasil. Foto: Reprodução

O pesquisador Pedro Zambon, da Unesp de Bauru, fez uma pesquisa sobre associações regionais de games no Brasil. Dos 27 estados do país, 11 deles tem uma representação na cena brasileira de jogos, organizando desenvolvedores.

Informações adicionais apontam que, na verdade, são 13 instituições.

Bahia (BIND), Ceará (ASCENDE), Distrito Federal (BRING), Goiás (Indigo), Maranhão (AMAGAMES), Minas Gerais (GAMING), Pará (Gamedevs PA), Paraíba (APGAMES), Pernambuco (Playnambuco), Piauí (Piauindie), Rio de Janeiro (RING), Rio Grande do Norte (PONG) e Rio Grande do Sul (ADJOGOSRS) são os estados com representação.

Além das 13, há três com representação nacional: IGDA, ABRAGAMES (envolvida com a organização do BIG Festival) e ACIGAMES. Elas foram elencadas em uma reportagem que fiz como freelancer para o site Red Bull Games em 2014.

Ítalo Furtado, da ASCENDE, mandou os links e endereços delas (complementando a lista original):

ASCENDE jogos – https://ascendejogos.org/
PONG – http://www.pongrn.com.br/
AMAGAMES – https://www.amagames.com.br/
PLAYNAMBUCO – https://www.facebook.com/playnambuco/
RING – http://ringdevrj.com.br/
PIAUINDIE – https://www.piauindie.com/
BIND – https://www.facebook.com/pg/bahiaindiedev
APGAMES – https://www.instagram.com/apgames_pb/
ADJOGOS RS – https://adjogosrs.com.br/
GAMEDEVS PA – https://www.facebook.com/Gamedevspa/
GAMING – https://www.facebook.com/gamingassociacao/

Em tempo: As associações regionais conseguem ter um trabalho consistente na organização de eventos, prestação de consultoria para empresas e solicitações de editais para governos e a iniciativa privada a nível local. A ADJOGOSRS, por exemplo, organizou os eventos DASH com palestras internacionais, incluindo do dev Rami Ismail, e hoje está envolvida as ações de fomento do cenário no programa GameRS.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.