5 games mais bizarros criados para o Atari 2600

Seleção do nosso editor de conteúdo

  • por em 14 de junho de 2020

Sneak ‘n Peek

Um estranhíssimo jogo de esconde-esconde virtual projetado, muito provavelmente, para crianças com preguiça de brincar na vida real.

O jogo apresenta abordagens curiosamente inovadoras para a época, como permitir que o jogador que terá que descobrir o esconderijo do amigo no ambiente virtual ‘trave’ seu controle para sair fisicamente da sala e permitir que o personagem do outro jogador se esconda em segredo.

Sneak ‘n Peek conta com apenas três telas diferentes, de modo que os lugares para se esconder tornam-se repetitivos, tornando o jogo óbvio depois de algumas jogadas.

Tooth Protectors

Uma das coisas que a Atari soube fazer com grande propriedade durante a fase de sucesso do console VCS 2600 foram parcerias comerciais.

De fabricante de comida para cachorro ao Ki-Suco, a empresa conseguiu produzir vários advergames, isto é, jogos criados para as empresas contratantes, lucrando mesmo com jogos que nada tinham de atrativo.
Um desses projetos era Tooth Protectors, desenvolvido para o creme dental Crest, da multinacional Johnson + Johnson.
No game, o jogador devia evitar que partículas de alimentos apodrecidas danifiquem os preciosos dentes brancos que apareciam na tela.

Entre os elementos disponíveis para evitar as cáries, era necessário manipular um escudo de proteção com flúor, escova de dentes e fio dental.

A jogabilidade era emprestada de jogos como Space Invaders e Break Out, mas o resultado dificilmente conseguiria divertir com a mesma ludicidade.

Mario Bros

O baixinho bigodudo da Nintendo já deu as caras no console da Atari, antes da empresa japonesa fincar o pé nessa indústria com o lançamento do NES, em 1985.

O game Mario Bros. chegou, de fato, a vários sistemas domésticos, incluindo o Atari 2600, dois anos antes de ganhar seu próprio cartucho no videogame da Nintendo.

O som do game era estridente e exigia que a garotada abaixasse o volume dos televisores, sob o risco de irritar a família com o que parecia ser uma tentativa de simular o barulho da caminhada.

A jogabilidade, ainda que em nada lembrasse o cartucho do herói no console da Big N, era divertida – para um Atari, claro.

Revenge Of The Beefsteak Tomatoes

O filme trash-cult O Ataque dos tomates Assassinos também ganhou sua versão para o 2600.

Curiosamente, o jogo não leva o nome do filme, mas uma corruptela do título, com Revenge Of The Beefsteak Tomatoes, ou algo como a vingança dos tomates de filé (?).

A jogablidade está, provavelmente, entre as mais rasas dos games criados para o console e o jogador deve dirigir uma espécie de seringa de injeção contra os velozes tomates que aparecem dos quatro cantos da tela.

Segundo informações, no Super Bowl de 1983, dois representantes da editora Fox Games, produtoras do jogo, apareceram vestidos como tomates gigantes e sentaram-se nas arquibancadas com placas onde se lia “Beefsteak Tomatoes Demand Revenge”.

Alien

É difícil imaginar que um dos filmes de terror de ficção científica mais emblemáticos e viscerais de todos os tempos tenha se convertido em um projeto de jogo digital tão ruim (bem, se lembrarmos de E.T., talvez…).

Derivado da estrutura de Pac-Man – outro game bastente criticado pelo port extremamente básico para o console – Alien coloca o jogador para conduzir um personagem, possivelmente a Tenente Ripley, em fuga contra os monstros alienígenas.

Não há muito mais a dizer sobre o game.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.