Antecipando a festa de 30 anos, Tectoy lança novo Mega Drive. Vale a pena comprar?

CEO da Tectoy, afirmou em nota que o relançamento atende "a um pedido dos fãs".

  • por em 1 de novembro de 2016
Imagem: Wikipedia

A Tectoy finalmente quebrou o silêncio do tão aguardado anúncio e divulgou, em 31 de outubro, o relançamento do saudoso console Mega Drive, com certas atualizações. Embora venha com novidades, é necessário refletir e considerar se vale, de fato, adqirir o novo aparelho.

A informação foi antecipada pelo site Player2, em texto de Silvio Diaz.

O novo Mega Drive traz como grande novidade a entrada para cartões SD, cujo cartão de fábrica chega com 22 jogos clássicos do aparelho. Há destaques como Alex Kid, Golden Axe e Sonic 3, para ficar nos mais importantes da lista, que pode ser conferida na íntegra no site da fabricante.

Embora o aparelho resgate o visual tradicional e o controle de 3 botões, a saída de vídeo limitou-se ao padrão video composto AV, com resolução de 320×240 pixels. Na prática, a qualidade visual dos games pode ficar comprometida. A ausência do padrão HDMI – segundo a Tectoy, de custo proibitivo – fatalmente inviabilizará o uso de televisores mais recentes, sem entrada AV.

O FAQ da Tectoy traz mais notícias ruins, como o fato de não suportar qualquer dos equipamentos adicionais do console original, como Game Genie ou Sega CD, e não rodar os jogos Virtua Racing e Sonic & Knuckles. A empresa ressalta que também não garante a compatibilidde integral de todos os cartuchos, mesmo originais.

Acrescente-se a tudo isso a ausência de fidelidade de áudio e a impossibilidade de save nos jogos e será possível avaliar que, embora saudosista e muito bem vindo, o novo console só valerá os R$ 399 pedidos na pré-venda para os fãs realmente fiéis e colecionadores de edições especiais.

Tomás Diettrich, CEO da Tectoy, afirmou em nota que o relançamento atende "a um pedido dos fãs". Os consoles adquiridos na pré-venda serão entregues a partir de junho de 2017.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.
Clique aqui e assine nosso canal no YouTube 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indústria