Mattel lança nova Barbie desenvolvedora de games

Lançamento tenta redimir a empresa, que, em projeto anterior, já cometeu a gafe de mostrar a personagem dependente de programadores homens. 

  • por em 19 de junho de 2016
Imagem: reprodução

As meninas já podem comemorar: Barbie tem agora nova versão, como desenvolvedora de games.

O projeto da Mattel busca inovar as possibilidades de brincar com a boneca que já foi ícone dos brinquedos de meninas. Hoje, com um um pensamento coletivo menos retrógrado apontando que meninos e meninas não deveriam ter suas diversões classificadas como mais ou menos apropriadas em função do gênero, a empresa corre para manter sua personagem relevante.

A Mattel já teve problemas há alguns anos, quando lançou o livro Barbie: I Can Be A Computer Engineer, no qual a boneca necessitava de auxílio de garotos para conseguir produzir um jogo digital e para restaurar seu computador, que provocou uma disseminação de vírus. Na ocasião, a empresa publicou um pedido de desculpas ante as críticas que indicavam o preconceito de gênero com as habilidades e a inteligência da personagem.

A Barbie Game Developer, à venda nos EUA pelo preço de US$ 12,99,  tem até mesmo códigos de verdade no computador que acompanha o kit, mérito da profissional Molly Proffitt, CEO da Ker-Chunk Games, que trabalhou com a Mattel para garantir a credibilidade do projeto da boneca. "O computador tem [codificação em Javascript] e você pode ver vários exemplos de engines de jogo em seu laptop", afirmou a CEO, segundo o The Huffington Post.

O verso da caixa da boneca descreve em linhas gerais o trabalho com a produção de games, informando que: "o desenvolvimento de jogos envolve contar histórias, arte e design gráfico, design de áudio e programação de computadores. Por existirem tantos aspectos para a criação de um jogo, o trabalho em equipe é muito importante". 

Mais informações estão disponíveis no site de vendas da Mattel.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indústria