Recrutador da Riot oferece dicas para quem quer trabalhar com Games e e-Sports

Informações podem ser o diferencial na hora de disputar uma vaga no mercado de games.

  • por em 28 de março de 2019
Imagem: FD Comunicação

Com o crescimento vertiginoso dos games de batalha multiusuário online, é também crescente o interesse dos jogadores por uma oportunidade de ganhar a vida com o que mais curtem fazer: jogar seu game preferido;

Fred “Mundico” Machado de Campos, profissional que atua como Talent Generalist na Riot, espécie de recrutador de talentos para os times das batalhas virtuais, elencou uma lista em recente post no fórum do LoL, destacando os pontos mais importantes a serem considerados na hora de apresentar o seu currículo para candidatar-se a uma vaga na Riot Games. As dicas do profissional estão listadas abaixo:

– Inglês no nível avançado e fluête é o patamar mínimo exigido;

– Se reconhecer como gamer. A empresa procura o tipo de jogador que, apesar de todas as responsabilidades e desafios da vida moderna, sempre arranja tempo para jogar alguma coisa;

– Curiosidade pelo LoL e eSports. Se não for um jogador constante ou profissional, é desejável que o interessado tenha curiosidade de conhecer a fundo os produtos da empresa e mantenha uma relação proximidade com eles;

– Mostrar flexibilidade e disposição para trabalhar sempre que necessário;

– Ter conhecimento e manter-se atualilzado em relação à área escolhida ou pretendida;

– Manter um comportamento in-game adequado. A Riot busca por pessoas que sejam referência nas relações interpessoais durante as partidas e com o próprio time, e avalia o comportamento do jogador na hora de tomar decisões, para certificar-se da conduta apropriada. Como afirma o recrutador "uma coisa é ficar irritado e xingar o amigo de burro, outra é ser racista ou homofóbico".

Estar atento a estas observações pode ser o diferencial na hora de disputar uma vaga empresa ou no mercado de games.

Fonte: FD Comunicação

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.
Clique aqui e assine nosso canal no YouTube 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indústria