Relembre: descubra quantos quantos gigas você gasta com games na internet

Games recentes podem consuir até 30 GB de dados cada um.

  • por em 24 de julho de 2018

Há dois anos, a Anatel envolveu-se em uma confusão com o público, afirmando que gamers gastam "muita internet" e propondo limitar os pacotes de dowloads e cobrança adicional pelas operadoras sobre os usuários que consomissem acima de determinadas quantidades de dados.

Para ajudar os gamers, o Drops de Jogos trouxe a informação de quanto da rede de dados é consumida com jogos digitais.

Seguem abaixo algums dessas informações, ainda muito úteis.

– Com a configuração dos novos consoles e as vendas online via DLC, tem sido cada vez mais comum baixar games inteiros pela rede e seus conteúdos extras. Com a cobrança adicional para as faixas de franquia de dados, baixar um jogo inteiro poderá ter um custo muito elevado: GTA V, por exemplo, tem aproximadamente 50 GB nas versões para PlayStation 4 e Xbox One. Games mais recentes como Fallout 4 e The Witcher 3: Wild Hunt estão na casa dos 30 GB cada um. Para cada jogo novo, a conta vai ficando mais pesada;

– Se o internauta também gosta de conferir o gameplay de seus jogos preferidos através dos vídeos de YouTubers, a conta vai ficar mais cara de novo. Para ter uma noção do tráfego de dados, considere que um vídeo com 240 pixels por linha, isto é, de baixa qualidade, consome aproximadamente 150 MB por hora. Em resolução SD, o mesmo arquivo sobe para cerca de 400 MB por hora. Vídeos em HD, por sua vez, variam o consumo médio entre 1,2 GB a 1,4 GB por cada hora assistida;

– Não menos importante, talvez o jogador queira compartilhar suas conquistas nas redes sociais ou acompanhar novidades sobre os games, em grupos de interesse. Para cada minuto no Facebook, o usuário gasta aproximadamente 2 MB, ou seja, 120 MB por hora navegada na rede.

Para ler o artigo completo, clique no link do texto originalmente publicado em abril de 2016.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.
Clique aqui e assine nosso canal no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indústria