Primeiras impressões de Ni No Kuni II na E3 2017

Por Pedro Zambarda, editor-chefe do Drops de Jogos, com reportagem em Los Angeles (EUA)

Foto: Divulgação

Embora não seja um game voltado para o público ocidental, Ni No Kuni II é envolvente e desafiante o suficiente para atrair até mesmo os jogadores que não estão imersos em seu universo. Ele está previsto para 19 de janeiro de 2018 somente para PlayStation 4 e PC.

Intriga palaciana

O segundo Ni No Kuni traz o príncipe Evan Pettiwhisker Tildrum que perdeu o pai e encara Otto Mausinger, um golpista do reino de Ding Dong Dell. O príncipe tem uma protetora chamada Aranella e tem o auxílio dos espíritos Higgledies.

A história em si tem ares de Hamlet, de Shakespeare, e é acompanhada por um RPG dinâmico com uma pitada de Kingdom Hearts. A mistura, bem executada pelo time de desenvolvimento da Level-5, tornará este game um dos bons títulos da publisher Bandai Namco no ano que vem.

Nível de desafio elevado

A demo disponível na E3 2017 colocou Evan e seus aliados diante de um dragão de fogo. Embora fosse apenas uma prévia do game final, o estágio mostra que você precisa ter uma dinâmica boa de disparo de magias, espadadas e outros recursos com aliados em cena.

Não ouse mandar magias de fogo num dragão ou isso acaba restaurando a energia dele. Utilize todo o 3D do cenário para desviar dos ataques com eficiência e saiba jogar bem com aliados, se quiser dar certo no game.

O mundo de Ni no Kuni II: Revenant Kingdom é aberto e ele é uma sequência direta de Ni no Kuni: Wrath of the White Witch (2011/2013), com um plot centenas de anos posterior. O segundo game foi originalmente anunciado na PlayStation Experience de 2015.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.
Clique aqui e assine nosso canal no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Resenhas