Opinião: Como a saga Metal Gear Solid objetifica as mulheres e contribui para o machismo [TEXTO COM SPOILERS]

É ruim falar mal sobre algo que você gosta, não é?

Foto: Divulgação

No dia 29 de agosto, eu redigi um texto sobre como a saga Metal Gear Solid havia me ensinado que games são cultura e leitores corretamente disseram que era uma "carta de amor" à franquia.

Agora venho para expressar praticamente o oposto aos argumentos daquele texto, principalmente depois de jogar Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, o último com o criador da série, Hideo Kojima, no comando. E a mensagem que venho trazer não é nada animadora.

Um post feito pela jornalista, blogueira e ilustradora Alice Mattosinho, do Garotas Geeks, me tirou da inércia e me fez redigir este texto. A conclusão das sagas de Big Boss e Solid Snake só reforçaram a chegar em uma conclusão que é clara e explícita: Os games da série Metal Gear são machistas e transformam as personagens femininas em objetos do cenário à serviço dos homens.

Problemas anteriores

Hideo Kojima revolucionou a grande indústria dos videogames ao lançar Metal Gear Solid para o PlayStation em 1998, trazendo atores profissionais para interpretar personagens e transformando um enredo de espionagem em filme. Vendeu seis milhões de cópias e chegou até a fama e a fortuna. Isso todo mundo sabe, não é?

O que poucas pessoas se atentaram é que, logo no primeiro game em 3D de sua franquia, já se apresentavam os indícios do machismo que se apresentaria em sua série de jogos stealth. Meryl Silverburgh, a filha do coronel Roy Campbel, é apresentada fazendo abdominais só de regata e calcinha na cela em que está presa em Shadow Moses Island. Depois dela, a vilã Sniper Wolf é mostrada com um enorme descote, que é aberto mesmo no frio gélido do Alasca. As personagens femininas tem um forte apelo ao protagonista masculino Solid Snake, que ainda assim evita se apaixonar por alguma delas. Trata-se, portanto, de uma provocação fácil e sem muita utilidade no contexto geral do enredo.

Meryl tem uma afeição especial com Snake, mas seu sentimento só é explorado de verdade no momento em que o jogador literalmente só observa ela tomar tiros de Sniper Wolf, sem poder fazer nada. O esforço do game, com dois finais distintos, ainda coloca o gamer para salvar a donzela (Meryl), colaborando para um estereótipo machista que Kojima podia ter desconstruído. Ele só segue o padrão na indústria. Uma das poucas personagens femininas mais marcantes só aparece no rádio – a doutora Naomi Hunter.

No jogo seguinte, Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty (2001), o autor baixa o teor machista de seus games com personagens mais sofisticadas. Olga Gurlukovich é uma oficial russa com axilas peludas e que consegue se desenvolver como uma personagem independente e mãe responsável por sua filha. Por outro lado, embora tenha sentimentos mistos, Emma Emmerich surge no enredo se contrapondo ao nerd Otacon. Por fim, temos Fortune como uma terrorista badass, negra e imortal.

Apesar dos avanços em MGS2, novos retrocessos no retrato feminino ressurgem em Metal Gear Solid 3: Snake Eater (2004). A The Boss aparece como uma grande mulher em todo o enredo dos jogos de espionagem, mas encontra o seu exato oposto na sensual agente EVA, que apela para um generoso decote que chama atenção dos players masculinos. Embora a espiã com apelo sexy tenha sua autonomia, como a Rebecca Bebs do site Girls of War relatou neste texto, Hideo Kojima mais uma vez perdeu a oportunidade de retratar personagens femininas de uma forma realista e até mais respeitosa com suas biografias. Mesmo sendo altamente masculinizada, a Boss abre seu traje de batalha mostrando suas cicatrizes e parte dos seios para o protagonista Snake. O sentimento entre os dois é o mesmo de um filho com sua mãe, mas a mente de Kojima é bizarra o suficiente até para sensualizar e apelar em uma composição de cena deste naipe.

Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots (2008), além de apelar para vilões já conhecidos, traz a Beauty and the Beast Unit, um esquadrão de mulheres que imita os inimigos de Shadow Moses Island. A ideia seria legal se elas não utilizassem roupas coladas e só gritassem de dor. A história delas é reduzida em documentos dentro do jogo, sem nenhum desenvolvimento mais profundo de personalidade. O esquadrão seria uma interessante crítica aos traumatizados pelas guerras, se suas personagens tivessem mais conteúdo expresso ao longo do jogo.

Além de todos esses problemas, Metal Gear Solid: Peace Walker (2010), lançado originalmente para o portátil PSP, traz uma personagem que é problemática por si só: Paz Ortega. Embora ela tenha uma importância enorme na narrativa por ser uma serviçal de Cipher, o antagonista invisível de Big Boss, Paz é retratada como uma jovem colegial e chega a ter um encontro romântico com o protagonista. Aliás, isso é uma missão dentro do jogo. Date With Paz é um dos episódios mais sem sentido dentro de um jogo com missões operacionais e parece ser um apelo puro para mostrar a personagem apenas de calcinha e sutiã.

Não contente em apenas mostrá-la com suas roupas de baixo em um dos episódios do jogo, Paz Ortega ainda abandona as roupas para assumir o controle do robô Metal Gear ZEKE. Sério, que mulher entraria num armamento militar nuclear usando apenas sua lingerie?

Possível conclusão

Metal Gear ainda segue sendo uma grande franquia sobre conspirações políticas, que é crítica ao setor militar e se tornou um jogo de espionagem promovido em massa pela Sony e sua plataforma PlayStation. No entanto, os méritos do jogo não apagam a sombra do machismo propagado por seu autor, Hideo Kojima. Muitos argumentam que a sensualidade exagerada das personagens faz parte do "fanservice" japonês, que visa agradar homens que normalmente já são leitores de mangá e espectadores de anime.

Mesmo considerando tudo isso, a misoginia em personagens da franquia do herói Snake só depõem contra o legado positivo que o jogo deixa após o encerramento de seu quinto episódio nos grandes consoles, chamado Phantom Pain. É de se lamentar.

SPOILER: O problema com Quiet em Metal Gear Solid V (NÃO LEIA SE VOCÊ NÃO QUISER SABER DETALHES)

Com todos esses antecedentes, existia uma esperança que Kojima fizesse diferente com a sniper Quiet em MGSV: The Phantom Pain. O desenvolvedor de games já fez um personagem masculino atraente com Raiden e já abordou homens gays com Volgin em Snake Eater. Desta vez, no entanto, ele ficou devendo.

Especulou-se que Quiet seria na verdade o rapaz Chico, que acompanhou Big Boss em Peace Walker e foi capturado no jogo-prólogo Ground Zeroes. Acontece que a mulher não é o menino, o que daria argumento para Hideo Kojima criar seu primeiro personagem trans, fora da confecção binária entre masculino e feminino na criação do enredo.

Quiet é uma espiã enviada por Cipher para assassinar Big Boss. O problema é que ela teve seu corpo carbonizado durante a tentativa de homicídio e passou a conviver com um parasita na recuperação dos tecidos. De acordo com a história do jogo, ela é obrigada a ficar com apenas um biquini durante toda a ação porque a sua pele "respira" e faz fotossíntese para manter o verme protegendo sua vida.

Hideo Kojima chegou a dizer que os críticos de Quiet iriam se "arrepender" por terem falado da objetificação dela. Não só estávamos certos, como a sniper acaba empobrecendo uma história que tinha tudo para ser grande.

A desculpa é manca, a personagem fica exibindo seus seios volumosos e a Konami, empresa criadora do game, chegou a lançar uma boneca peituda em sua homenagem

Qual é o sentido de criar um enredo machista em um jogo de videogame que ajudou a enriquecer a narrativa em uma mídia eletrônica? Eu não sei. Gostaria de verdade que Kojima me explicasse isso.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Cultura

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
28 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ton

Fresco

Henrique Almeida

babaca

Ton

Ui magoei os sentimentos dele, que Opressor kkkkkkkkkk

Pedro Alonso

Pontos muito válidos e de fato tem muito machismo sim. Amo a série, mas não serei hipócrita em dizer que não tem. Alguns pontos dessa “objetificação” fazem sentido na trama (como a EVA, afinal ela mutias vezes usa da sedução como ferramenta para cumprir os objetivos), porém muitos não. Atribuo muito à cultura oriental que por alguma razão tem essa coisa com a sexualidade. De toda forma, como contraponto, vale ressaltar personagens masculinos como Vamp, Raiden dando estrelinha pelado e close nas vestimentas coladas do Snake (principalmente no MGS2 que da pra ver até o risco da cueca). A sexualidade nesse jogo pende para os dois lados. (apensar disso, ainda concordo que tem suas características machistas sim, não digo o oposto em momento algum e a parada da Paz é a mais asquerosa)

AwesomeEggs

“Date with Paz” é coisa de pedófilo, nao faz sentido algum com enredo do jogo. Nao sei o q passou na cabeça do Kojima.

Pedro Alonso

Nossa, total. É asqueroso. Não atribuo isso especificamente ao Kojima, mas à cultura oriental, que além de ter sexualização de mulheres direto e reto em várias obras, tem uma coisa (podemos chamar de fetish?) por “novinhas”, principalmente em uniforme escolar. Kojima, por fazer parte desse meio, trás consigo essa “bagagem”. Não deixa de ser bizarro, mas requer uma analise não tão superficial.

Pedro Zambarda de Araújo

Muito bons pontos. Concordo com vocês. Importante que essas críticas sejam feitas. E olha que eu sou fã do Kojima.

Também sou mega fã s2
Mas como você disse, é importante levantar esses pontos

Gilney Huskie

Por que “coisa de pedófilo” se ela É MAIOR DE IDADE?
Cara, na boa, não sabe absolutamente NADA sobre a personagem nem QUEM ELA É e já saiu escrevendo bobagem.

Recomendo LER e ENTENDER a história de cada personagem pra não sair falando o que não sabe, pois o que dissestes é incongruente com a personagem.

SuprX BR

cultura japonesa mano; pessoal é taradão la, ao menos eles n escondem como aqui no ocidente; q acontece coisa pior todo dia. N vi comentando da missão Date with Kaz; que é bem engraçada, entre outras coisas.. foi uma boa analise mas foi bem parcial tambem.

Gilney Huskie

E por acaso a sedução feminina pra obter vantagem em algo NÃO É uma realidade? Os personagens do jogo são REALISTAS, logo, refletem muito do MUNDO REAL.

Hipocrisia é acreditar em unicórnios e mundo perfeito, velho.

Não sabe absolutamente nada da Paz pra chamar de asquerosa. Vai LER e ENTENDER a história pra saber QUEM ela é.

FPalheiros

Mimimi do cacete. Filmes do 007 são na mesma vibe machista e ainda assim milhões amam a franquia.

Guilherme Araujo Azevedo

E criticam tambem.

Henrique Almeida

isso nao justifica, só reforça o argumento de que a industria é machista

Henrique Almeida

isso sempre me incomodou, sempre que aparece uma mulher no jogo pode esperar que no minimo um decote tu vai ver, é totalmente sem necessidade. Eu gosto muito da serie e me sinto culpado por pagar por um jogo que trata assim o publico feminino

Ton

“Eu me sinto culpado” aí da 10 minutos tá no Xvideos batendo punheta sai daí seu Fresco Hipócrita kkk

Leandro Hartmann

Quando tu sai na rua tu vê as mulheres usando as roupas que quiserem, só frescura ir achar que a vestimenta usada no mgs é machismo.

Rafael Monk

é machismo quando é criado por um homem. O fato é: personagens femininas escritas por homens SEMPRE serão objetificadas ou usadas como ferramentas de enredo.

David Will

duas coisas: primeiro o jogo expoe mulheres e homens igualmente (zoom na bunda do Snake o tempo todo), o proprio Raiden foi um personagem criado pra agradar o publico feminino com base na opiniao delas, e o jogo por diversas vezes é uma CRITICA a objetificação das mulheres como acontece em Metal Gear 4, escrachando situacoes onde o sofrimento das mulheres é acobertado por fetishes masculinos, aconselho jogar e PRESTAR ATENCAO antes de sair escrevendo

David Will

duas coisas: primeiro o jogo expoe mulheres e homens igualmente (zoom na bunda do Snake o tempo todo), o proprio Raiden foi um personagem criado pra agradar o publico feminino com base na opiniao delas, e o jogo por diversas vezes é uma CRITICA a objetificação das mulheres como acontece em Metal Gear 4, escrachando situacoes onde o sofrimento das mulheres é acobertado por fetishes masculinos, aconselho jogar e PRESTAR ATENCAO antes de sair escrevendo

Anônimo
Hugo Garcia

Meu Deus que texto lixo. Os caras transformam um render 3D virtual em machismo. É Mais fácil fazer agua virar vinho do que boneco de render virtual de jogo ser machista.

DanteZ0

Que bom que mostra tudo que agente quer ver, mulheres bonitas e fodas e homens também, pau no cu de quem vê machismo e sexíssimo em tudo!

Rafael Monk

To 5 anos atrasado mas devo dizer que apesar de concordar com tua crítica, eu também acredito que a objetificação é meio que uma crítica do Kojima à industria cinematográfica(HOLLYWOOD), já que não é nenhum segredo que a série é baseada em clássicos do cinema e expressa a paixão dele pelo cinema… É inegável, porém, que a escolha da forma de crítica dele é problemática, por motivos óbvios de marketing e… bem… Japão.

José Eduardo

Que mimimi do cacete! é só a porra de um jogo, o criador representa os personagens da forma que ele quiser e pronto. Sai na rua um dia e você verá centenas de mulheres tão bem vestidas como as personagens citadas. Ou melhor ainda entra no Instagram e vai no perfil das mesmas. Por que o argumento da objetificação só vale para filmes e vídeo games quando as mina usa o próprio corpo para conseguir dinheiro status e fama o tempo inteiro?

JIASJISAJHUSHA

machismo?
os teoricos da conspiração que são machistas, nunca vi uma ET, só tem et porra, vms discutir isso..

SuprX BR

A serie é japonesa, logo vc tem q analisar com uma pespectiva oriental japa; diferente das coisas ocidentais, eles colocam essas coisas descaradamente, n é algo sublime ou algo escondido, é a famosa taradisse japonesa, q existe em varios e varios produtos de la, cinema, anime, mangas e etc; a serie pega ate leve se comparar no geral.

Psycho Flash

Opinião ignorante