Opinião: Para o ministro Cardozo, antes do Atari a humanidade não matou e nem causou guerras

A frase do título é roubada do amigo Thomás Levy.

Foto: EBC

O ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, esteve na sede da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Wahsington, para discutir o pacto contra homicídios nesta quinta-feira (14). "A violência é hoje cultivada e aplaudida, seja em esportes ou jogos de crianças pequenas. Outro dia ouvi um especialista dizer que nunca viu um game em que o vencedor é quem salva vidas, pois o vencedor é sempre quem mata. Essa cultura da exaltação da violência se projeta e acaba banalizando a violência, disseminando uma realidade perversa em que seres humanos podem aniquilar, ferir os outros em atos que são socialmente reprovados", declarou ele, na ocasião.

Questionado por um repórter da BBC, Cardozo não especificou quais seriam as modalidades esportivas ou quais games infantis ele se referia.

A declaração trata-se de uma enorme banalidade dita por uma pessoa que claramente não sabe sobre o assunto e não faz nem questão de pesquisá-lo. Mas evidencia, junto com declarações de outros políticos como a ex-ministra Marta Suplicy, um total descaso de diferentes divisões dos governos brasileiros pelos jogos digitais.

É verdade que a cultura da violência, em geral, está presente nos videogames. Assim como está nas telenovelas, nos filmes, nos livros e em diferentes produtos culturais. Isso não é novidade pra ninguém.

Mas é mentira que unicamente os jogos sejam "apologia à violência". Há mensagens positivas sobre salvadores nesta mídia, desde Mario buscando Peach até Lara Croft solucionando mistérios em Tomb Raider, entre inúmeras outros significados que os games trazem.

Numa declaração totalmente retrógrada, anacrônica e descabida, Cardozo basicamente afirmou que os homicídios acontecem porque estamos gastando muito tempo nos joguinhos. Afinal de contas, antes do Atari não existiam assassinatos e nem guerras, não é?

Foram frases de uma pessoa desinformada e que deveria estar atualizada quanto aos avanços do meio digital na Justiça, incluindo ai os games.

Internacionalmente, a frase é uma gafe. Intelectualmente, é uma enorme bobagem dita por quem deveria se informar mais.

Nacionalmente, o comportamento é um sinal de como ainda há descaso das autoridades brasileiras com os jogos no Brasil.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Cultura