Misoginia ainda é uma triste realidade nacional e o universo dos games retrata esta fatalidade. Como mudar?

Perseguição, intolerância e a ausência de valores sociais ainda persistem na rede, muitas vezes fruto da aparente sensação de anonimato dos jovens que se sentem seguros para destilar um comportamento execrável e, não raro, punível pela lei.

  • por em 9 de julho de 2015
Foto: Reprodução

Na última quarta (08/07), o Geração Gamer, site parceiro do Drops de Jogos, postou nota sobre um documentário realizado na Universidade de São Paulo, mostrando como o preconceito contra jogadoras e mulheres inseridas no universo nerd ainda persiste, com exemplos de declarada misoginia e intolerância. 

Mantido por Pedro Zambarda, também editor do Drops de Jogos, o Geração Gamer deu voz a um problema ainda latente, mas sempre rechaçado pelos detratores como "vitimismo". A repercussão veio quase imediatamente, com ameaças veladas vindas de anônimos na rede, que acreditam poderem destilar seu ódio e incompreensão da vida comunitária on e offline à sombra da aparente proteção do sigilo na rede.

No site 55Chan, espaço polêmico da internet no qual é possível trocar mensagens e expressar-se sem revelar a identidade, o assunto foi alvo de discriminação e da articulação ameaçadora de seus integrantes, que diziam haver gente "falando merda do chan" e sugeriam "sacanear" o site de notícias por meio do uso de "anões", expressão conhecida para o sistema de ataque com bots digitais, que forçam a derrubada de sites com acessos além da capacidade de tráfego.

O tom das ameaças foi tão intenso na troca de mensagens que levou à retirada do documentário do ar. O artigo do G2 também foi retirado e substituído por outra nota comunicando a ameaça sofrida.

Não é possível que a sociedade ainda seja obrigada a conviver com a falta de civilidade de indivíduos que se sentem protegidos para destilar seu ódio impunemente. A rede, com todos os benefícios que tem apresentado pelas facilidades digitais, mostra cotidianamente a pobreza de espírito e o elevado nível de preconceito de expressiva parcela de seus usuários. Por isso, o ambiente dos games permance um espaço tóxico para as apreciadoras dessa cultura, que sofrem ataques gratuitos e constante perseguição, fruto da estupidez de jovens incapazes de exercer com dignidade sua cidadania.

O Drops de Jogos lamenta a persistência com que situações como essa são recorrentes dentro e fora da rede digital e expressa o veemente repúdio a esse comportamento intolerável, que precisa mudar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Editorial