10 coisas que você precisa saber antes de jogar o brasileiro Toren, da Swordtales

Toren, aguardado projeto da desenvolvedora gaúcha Swordtales com a publisher internacional Versus Evil, saiu do forno após quatro anos de desenvolvimento e está à venda pelo Steam no PlayStation 4 por R$ 20. Nós, do Drops de Jogos, já testamos e terminamos o game lançado no dia 12 de maio. Para ajudar quem ainda está indeciso com a compra do jogo, montamos uma lista de 10 coisas que você precisa saber antes de experimentá-lo. Confira.

Foto: Reprodução

1. Sim, o jogo é curto. Não, isso não é um problema, necessariamente

De acordo com os desenvolvedores, o game dura em média cinco horas. Tem gente que diz que zerou em duas horas. Eu demorei mais, entre oito e nove horas. Talvez eu seja um jogador medíocre, mas em um dia você liquida o game.

2. Sim, infelizmnete o jogo tem bugs bem aparentes

Mesmo com quatro anos de desenvolvimento, deslizes passaram. A heroína Moonchild faz movimentos bizarros em determinadas boss fights com o Dragão Negro que podem comprometer sua movimentação no jogo. Quando isso acontecer, renicie e volte do último checkpoint. É chato, é mala, mas pelo menos faz tudo voltar a funcionar.

3. Não, o game não foi feito com grana do governo. E nem do PT

Há uma série de comentários imbecis na internet dizendo que o jogo é ruim porque foi "financiado pelo governo", apontando logotipos do Brasil e outras besteiras. Eu escrevo que são comentários babacas porque, além de destilar ódio gratuito ao PT, não correspondem à realidade. Toren foi financiado através da Lei Rouanet, que realmente pertence ao governo federal. No entanto, este é apenas um incentivo, na forma de abatimento de impostos, para que empresas financiem projetos culturais. Ou seja, a Swordtales na verdade procurou financiadores privados para pagar o jogo. Não teve dinheiro da Dilma e nem do Lula, rapazes.

4. A jogabilidade é realmente simples

São três botões. Pular, atacar/interagir com objetos e observar. E funciona bem desta forma o tal Toren.

5. As batalhas são chochas

Tem a morte, um monstro pequeno escuro e alguns obstáculos no caminho. O jogo é parecido com The Legend of Zelda neste aspecto, mas não possui o mesmo brilhantismo nos combates.

6. Mas a batalha contra o Dragão Negro é legal

E você vai ter que usar a cabeça pra não morrer. E você vai ver que Moonchild é uma mulher forte.

7. Jogue com bons fones de ouvido

A trilha sonora é totalmente imersiva. E é instrumental.

8. Leia os diálogos de Toren

Especialmente se você gosta de arte, filosofia, poesia e mitologia. Aquelas coisas da galera de humanas e dos fãs de Senhor dos Anéis.

9. Não deixe de jogar os sonhos dentro do game

São todas as partes de Toren que ocorrem fora da torre. Você pode pular essas partes. Não faça isso, senão perderá 70% da experiência.

10. Por fim: Não tem problema nenhum se você não gostar. Tampouco se gostar muito

Toren é um jogo que brinca com significados subjetivos, como Journey fez anos antes. Apesar de toda a sua mitologia, é simples e direto, mas guiado por uma direção artística boa. Com essas características, é um game que irá trazer contradições nas resenhas e nas avaliações na internet.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indie