Com simplicidade e narrativa de cordel, Boitatá: Cobra de Fogo traz o regionalismo e a cultura popular brasileira aos games

Para além da originalidade da adaptação temática, o jogo se utiliza de recursos da cultura regional nordestina como a literatura de Cordel.

  • por em 26 de setembro de 2016
Imagem: reprodução

Boitatá: Cobra de Fogo é daquelas surpresas do game design nacional, que conquista pelo bom uso da simplicidade dos primeiros jogos para mobile associado ao resgate das tradições populares nacionais.

A partir do clássico jogo da Cobrinha, o Snake presente nos primeiros celulares com tela monicromática de cristal líquido, os desenvolvedores indies do Mantus Game trabalharam com a figura do Boitatá, a Cobra de Fogo do folclore brasileiro.
Para além da originalidade da adaptação temática, o jogo se utiliza de recursos da cultura regional nordestina como a literatura de Cordel, de onde se inspira reproduzindo a estética de xilogravura, e a trilha sonora singela e contagiante, apresentada com pífano e base percussiva, típicos da região.
"Quero destacar três pontos: a simplicidade, a narração do cordel e a trilha sonora. Um exemplo de que dá para fazer algo descomplicado sem perder a qualidade", afirmou Rian Nascimento, pernambucano que assina o artigo sobre o jogo no site Taverna do Desenvolvedor, parceiro do Drops de Jogos.
O belo remake do clássico jogo da cobrinha pode ser baixado gratuitamente para dispositivos com sistema Android, através desse link.
Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.  

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indie