Estúdio indie de SP cria sistema que transforma celular em controle para qualquer console

O programa contará com suporte de financiamento coletivo através do Indiegogo.

  • por em 7 de abril de 2016

Alexandre Ribeiro de Sá, desenvolvedor da empresa indie Vortex Game Studios, de São Paulo, apresentou na noite de ontem o inusitado sistema MobiStick, concebido para revolucionar a interação com games em qualquer console. Com o pequeno programa, aparelhos celulares de qualquer fabricante se convertem em um controle para jogos digitais, independente da plataforma de jogo.

Alexandre afirmou que a ideia surgiu em um bate papo entre amigos: "Eu falei: cara, imagina se eu pudesse pegar um celular e usar como joystick. Mas não só como joystick, o jogo poder passar informações para ele, demonstrar informações de status do personagem, você poder configurar o seu personagem pela tela do celular…", explicou durante a apresentação do projeto no Spin, encontro de desenvoledores realizado no Centro Cultural São Paulo.

O produtor esclareceu que, mais do que um joystick, o sistema permite aos jogadores configurar o recurso da forma como preferir. "A gente fez um teste em que conseguimos jogar um game de plataforma usando só uma mão. Isso abre inúmeras possibilidades para inserir pessoas com deficiências motoras ou qualquer tipo de dificuldade de manuseio para entrar no jogo", declarou, com entusiasmo.

Na apresentação, Alexandre exibiu um vídeo no qual operava os comandos para o game Rayman Origins a partir de um celular convencional com o programa. "Não houve nenhuma implementação no jogo, não houve nada. O sistema operacional interpreta isso como joystick", comentou.

Por hora, o programa está disponível apenas para aparelhos com sistema Android e Windows Phone, mas os criadores estão providenciando condições para auxiliar por meio do sistema de financiamento coletivo Indigogo. O programa pode ser baixado gratuitamente no site MobiStick.Co.

Acompanhe o Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indie