Galaxy Cannon Rider, do estúdio indie brasileiro CooLegion, garante diversão com uma só mão nos mobiles

Embora não fuja da mecânica tradicional dos jogos de plataforma lateral, com clara inspiração nos canhões de barris de Donkey Kong, Galaxy Cannon Rider tem apresentação visual colorida e caprichada.

  • por em 17 de maio de 2016

A produção de games para mobiles tem sido a cada dia mais expressiva no país, e criações como Galaxy Cannon Rider, do estúdio indie CooLegion, mostram que fórmulas simples também podem ser divertidas e atrair o público casual.

No game, o jogador assume o papel de um Cannon Rider, personagem que viaja pela galáxia com seu circo realizando o famoso show do homem-bala, coletando moedas e power ups em sua trajetória. À medida em que progride, o herói abre novos mundos e leva o circo aos mais distantes planetas da Galáxia.

"Nosso game nasceu de uma decisão de gameplay: queríamos criar um game que pudesse ser jogado com apenas uma mão e que tivesse uma participação curta e viciante. Com este conceito em mente criamos o gameplay do Galaxy Cannon Rider e depois a história", explicam os desenvolvedoras na página do jogo na loja virtual Labindie, que exibe detalhes do projeto. "Cada personagem tem um poder, e o jogador pode formar times de até 8 riders para tentar chegar ao próximo mundo", informam.

Embora não fuja da mecânica tradicional dos jogos de plataforma lateral, com clara inspiração nos canhões de barris de Donkey Kong, Galaxy Cannon Rider tem apresentação visual colorida e caprichada, que deve agradar sobretudo ao público infantil. O game apresenta cerca de 50 personagens, que vão de Goku e Wolverine ao Creeper, de Minecraft, com poderes variados.

O estúdio CooLegion mantém uma produção expressiva com outros projetos já realizados, entre advergames e jogos para dispositivos móveis, que valem a pena a visita ao site. O jogo deve ser disponibilizado em breve para aparelhos Android e está disponível para aquisição na loja virtual Steam.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indie