Jogo de tabuleiro Pit Crew, do criador de Gryphon Knight Epic, ganha como melhor jogo não digital no SBGames 2016

"A grande coisa que quis passar foi a pressão e precisão necessárias para ser um mecânico de Pit Stop. Acho que o jogo entrega bem isso", diz o criador do boardgame.

  • por em 14 de setembro de 2016
Imagem: frame de vídeo do YouTube

O jogo de tabuleiro Pit Crew, idealizado e produzido por Sandro Tomasetti, desenvolvedor indie brasileiro já conhecido pela criação do game Gryphon Knight Epic, saiu-se vencedor na categoria Melhor Jogo de Outras Plataformas, no SBGames 2016, que aconteceu entre os dias 8 a 10 de setembro na USP, em São Paulo.

Trata-se de um jogo para até 4 participantes onde, a cada volta completa pelos carros em uma corrida, é preciso agir com a rapidez de uma escuderia, para manter o veículo na Pole Position.

Além do reconhecimento no maior evento acadêmico de jogos digitais da América Latina, Pit Crew já ultrapassou em 16% a meta de financiemento coletivo disponibilizada no Kickante.

Sandro conversou rapidamente com o Drops de Jogos durante o SBGames e explicou o sucesso do projeto.

Drops de Jogos – Como foi receber o reconhecimento do SBGames para Pit Crew?

Sandro Tomasetti – Foi muito massa mostrar o jogo para todo esse pessoal desenvolvedor. Mais legal ainda receber o feedback e reconhecimento deles. Acho que quanto mais integrado o boardgame estiver dos jogos digitais, melhor vai ser para os game designers. Jogo de tabuleiro é uma mídia que dá muito poder (e responsabilidade, seguindo o dito do nosso grande amigo Aranha) pro game designer e trabalhar dessa maneira só vai fazer com que os designers cresçam.

Drops de Jogos – O game foi financiado no Kickante e ainda há 29 dias [à ocasião] para apoiar o projeto. Em sua opinião, o que levou o jogo a ser bem sucedido na campanha?

Sandro Tomasetti – Bom, o apoio da [editora] BGC, que já lançou um outro financiamento (O Gryphon Knight Epic, no caso), deu uma credibilidade grande ao projeto. Somado a isso, o pessoal mais especializado em tabuleiro gostou muito, fez vídeos, reviews etc, ajudando a criar um 'hype' muito show.
Vamos ver se leva até varias metas estendidas legais!

Drops de Jogos – Porque o tema da corridas voltado a um jogo de tabuleiro tradicional pareceu tão interessante para a equipe de desenvolvimento?

Sandro Tomasetti – Engraçado dessa história é que eu nem sou tão fã de automobilismo assim. O cara que fez o desing gráfico, o Rafael Martins, é bem mais fã e sempre me pergunta "Por que raios você fez um jogo de F1?". Mas o Pit Crew nasceu com o tema já… (pausa) mecânica e tema foram meio que foi formulados juntos.
A grande coisa que quis passar foi a pressão e precisão necessárias para ser um mecânico de Pit Stop.
Acho que o jogo entrega bem isso.

Drops de Jogos – O que você considera mais fácil: criar um jogo digital como Epic Gryphon Knight ou um boardgame como Pit Crew? Quais as principais diferenças de produção para cada formato?

Sandro Tomasetti – Eu acho mais "fácil" trabalhar nos jogos de tabuleiro, mas é mais porque eu tenho uma certa autonomia que não consigo ter com os jogos digitais (que precisam de som, programadores etc). É só colocar no sulfite e já tá pronto para testar e botar na mão de jogadores. Ambos têm vantagens e desvantagens… A pureza de design do jogo de tabuleiro, afinal é tudo que você tem para fazer o jogo se destacar.
Em contrapartida, você divide mais a responsabilidade em um jogo digital. Eu pretendo continuar trabalhando nos dois!

Embora já tenha alcançado a meta prevista para o financiamento do projeto, Pit Crew tem ainda mais 24 dias de campanha no site de colaboração coletiva. Quem quiser conhecer melhor o jogo e contribuir com sua produção pode acessar a página de arrecadação no Kickante.

Abaixo, você confere dois vídeos com informações sobre o game e como jogá-lo.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indie