Saiba como duas jovens mulheres venceram o Desafio Change the Game do Google

Importante mais mulheres na cena brasileira de games

Jogos de mulheres que venceram desafio do Google. Foto: Divulgação

Recebemos a seguinte informação:

Duas jovens estudantes brasileiras tiveram suas ideias de jogos transformadas em games de verdade.

A Isabela e a Letícia venceram nosso desafio Change the Game, voltado para meninas de 15 a 21 anos de todo país para apresentarem ideias de games mobile para serem desenvolvidos na plataforma. Foram mais de 3000 inscritas, e as suas ideias de jogos foram eleitas as melhores por um júri. Esta semana, os dois jogos dela foram finalmente lançados!

Um pouquinho mais sobre os jogos:

O Save The World Like a Girl, ideia da Isabela Fernandes, de 17 anos, do Colégio COTEMIG, de Minas Gerais, é um jogo que mistura aventura, luta e história. Além de desafiador, o game conta com importantes mulheres da História da humanidade e da ciência como Cleópatra e Marie Curie

O jogo de puzzle Meoweb é a adaptação da ideia da Letícia Araújo, de 16 anos, do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Letícia adora gatos e programação, então resolveu juntar tudo no jogo! No Meoweb, qualquer pessoa pode começar a aprender a linguagem HTML enquanto resolve desafios para salvar gatinhos de apuros. São diversas fases para aprender a linguagem de programação enquanto se diverte.

As mulheres já são maioria dentre os gamers, mas ainda representam um número pequeno entre os desenvolvedores de jogos. Segundo um levantamento realizado pela Game Brasil em 2018, nos últimos anos, a participação feminina cresceu 38% entre os profissionais no mercado. Apesar deste número, as empresas que trabalham no segmento de games contam com apenas 20,7% de mulheres contra 79,3% de homens dentre seus desenvolvedores. Para mudar esse cenário, o Google criou o Change the Game.

Confira o Blog Oficial do Google e a página Think With Google para conhecer detalhes dessa história.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.