Novo estúdio da Sony vai produzir games para iOS e Android

Títulos clássicos de PlayStation como Wipeout, Crash Bandicoot ou PaRappa The Rapper deverão ser disponibilizados para smatphones e tablets por meio da ForwardWorks.

  • por em 28 de março de 2016

A Sony Computer Entertainment Inc., que está mudando de nome para Sony Interactive Entertainment Inc. (SIE), anunciou um novo estúdio para a produção de games exclusivamente voltados aos dispostivos móveis. A empresa inicia com uma injeção de capital de 10 milhões de yenes, algo como US$ 90 mil, e conta com profissionais de peso da Sony, como Atsushi Morita e Hiroshi Ueda.

A nova empresa, denominada ForwardWorks Corporation, tem como objetivo implantar novos serviços para o mercado de dispositivos inteligentes em constante expansão, informa o release da companhia. O estúdio iniciará as operações a partir de 01 de abril de 2016, data em que a Sony também muda oficialmente de nome.

A intenção da casa do PS4 com o novidade é alavancar a propriedade intelectual dos games da marca PlayStation na criação de jogos otimizados para o mercado mobile, inicialmente aos usuários do Japão e Ásia. A aposta deve criar novas oportunidades de negócios para a Sony, resgatando títulos clássicos de PlayStation como Wipeout, Crash Bandicoot ou PaRappa The Rapper, e também games mais recentes, como God of War, Infamous e Uncharted, disponibilizando-os aos smatphones e tablets por meio da ForwardWorks.

Considerando a abertura que a Sony tem dado aos projetos indies para o PS4, não é difícil imaginar que a nova empreitada deve aproveitar o potencial dos estúdios emergentes para direcionar estas criações ao novo mercado, o que deve gerar oportunidades também para os desenvolvedores brasileiros, que já contam com produções para o console da casa, a exemeplo de Aritana, do estúdio Duaik, Krinkle Krusher, do estúdio Ilusis, ou Gryphon Knight Epic, do Cyber Rhino Studios, que chega ao PlayStation 4 no próximo dia 20 de março.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indústria