Opinião: Quais foram as impressões sobre as conferências da E3?

Tão importante quanto relatar o que aconteceu na E3 2015, entre os dias 14 e 18 de junho, é falar o que achamos sobre as conferências do evento. Separei minhas opiniões e impressões sobre as principais conferências. Veja logo abaixo.

Foto: Reprodução/E3Insider.com

Bethesda

  • Primeira conferência explorou corretamente o novo Doom e Fallout 4. Impressionou por respeitar os fãs históricos do jogo de tiro sangrento e por mostrar tantos extras em Fallout que tirou o ar de quem não sabia o que esperar.
  • Em apresentações curtas, Desonored 2 também foi mostrado, bem como os demais títulos. Nenhum anúncio foi prolongado de propósito.
  • A empresa fez brincadeiras com o público, mas parece não ter ensaiado muitas piadas. Isso deu um ar de naturalidade muito positivo para a Bethesda na E3.

Microsoft

  • A empresa não fez uma apresentação surpreendente de cara, mas conquistou pelo inédito HoloLens funcionando em Minecraft e também pela retrocompatibilidade entre Xbox One e Xbox 360.
  • Foi a companhia que mais anunciou exclusivos e jogos ainda para 2015.
  • Manteve-se na segurança nos títulos que consagraram a Microsoft no mundo dos games: Tiro, corrida e aventura.
  • Trouxe uma coletânea boa para as novas gerações da Rare.
  • Além de apostar em inovação com realidade aumentada, fechou parceria com o Oculus Rift, o dispositivo de realidade virtual do momento.

Eletronic Arts (EA)

  • Apresentação morna com pico na presença do Pelé no anúncio de FIFA 16 e com a gameplay sofisticada de Star Wars: Battlefront, desenvolvido em parceria com a DICE.
  • EA manteve-se na segurança dos jogos esportivos, como Madden de futebol americano.
  • Anúncios deram sono na franquia Plants vs. Zombies e outras mais casuais. Foram anúncios que agradam mais o público de grande família, mas não o gamer mais hardcore.
  • Unravel surpreendeu com um porta-voz extremamente nervoso (Martin Sahlin) e um jogo graficamente muito bonito.

Ubisoft

  • Um show no palco com Just Dance, mas uma conferência morna como a da EA, sem muitas novidades.
  • O novo Assassin's Creed: Syndicate foi um erro por não mostrar mais novidades consistentes, embora sua ausência também pudesse atrair reclamações.
  • Empresa manteve-se também na segurança de The Division e Rainbow Six Siege, títulos que possuem um público de tiro e ação tática fiel.

Sony

  • Será exaltada por anos por ter sido a primeira empresa ao anunciar Final Fantasy VII Remake. A internet e o mundo que estava assistindo a E3 2015 veio abaixo com essa apresentação.
  • Recuperou e dará destino a Last Guardian em 2016. Jogo estava em desenvolvimento desde 2007.
  • Horizon Zero Dawn cativou por uma protagonista feminina que não apela para uma estética sexista.
  • Sony provavelmente levará o Kickstarter para financiar a E3 após levar o crowdfunding de Shemmue 3 a níveis recorde.

Nintendo

  • Faltou The Legend of Zelda para Wii U.
  • A apresentação toda apelou para a nostalgia de Mario, que completa 30 anos neste ano.
  • Os anúncios também apelaram para os fãs da marca, exibindo até vídeos de YouTube.
  • O ponto alto foi o anúncio de Star Fox Zero, que foi elogiado por suas inovações. O ponto mais baixo, além da ausência de Zelda, foi Metroid Prime: Federation Force que será lançado para 3DS sem um personagem similar à heroína Samus Aran.

Square Enix

  • Apresentações com textos enormes e sem empolgação de desenvolvedores.
  • Pouca explicação sobre teasers de vários games apresentados.
  • Pouco gameplay dos jogos que chegarão em breve.
  • Tirou a graça de Final Fantasy VII que foi anunciado com empolgação pela Sony.

PC Gaming Show

  • Muitos títulos que já foram apresentados durante a E3 e nenhuma novidade realmente exclusiva, já no final da noite do último dia de evento.

Outros destaques

  • Konami chamou atenção na internet com trailer de história e 40 minutos de D-Walker – um Metal Gear – em MGSV: The Phantom Pain. De acordo com jornalistas que foram na E3, o jogo pode ser o título do ano competindo com The Witcher III e Bloodborne.
  • Project Morpheus foi demonstrado pela Sony para os presentes em Los Angeles.
  • A E3 passou a sensação de um equilíbrio saudável entre remakes e jogos novos, além de dar um bom espaço para games independentes grandes e pequenos.
  • Jogos brasileiros vão chamar atenção no Xbox One em 2015.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Indústria