Cosplayer diz ter sido torturado por seguranças na BGS e evento afirma que vai apurar caso

Drops de Jogos foi ouvir a Brasil Game Show

Cosplayer agredido na BGS. Foto: Reprodução/Facebook

Michael Giordano Martins Pinheiros, de 34 anos, fez cosplay do vilão Coringa na Brasil Game Show, a maior feira de games da América Latina, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Depois de duas horas no evento, Pinheiros decidiu retocar a maquiagem no carro, que estava no estacionamento. Como seu ingresso era um QR Code, ele se certificou com dois seguranças que poderia retornar a feira sem problemas. No retorno à BGS, o cosplayer do Coringa passou novamente pela revista no Portão C, porém seu QR Code não permitiu o acesso ao evento, pois já tinha sido utilizado. Na tentativa de auxiliá-lo, uma funcionária chamou um organizador para relatar o ocorrido.

Durante a confusão, dois homens, sem identificação e sem uniforme de seguranças, se aproximaram e falaram que Pinheiros não iria entrar na feira. Logo em seguida, segundo o cosplayer, lhe deram um mata leão e o arrastaram até uma sala, usada como vestiário pelos agentes. Segundo a vítima, o corredor que levava ao vestiário tinha cerca de seis metros de extensão e parecia um “corredor polonês”, pois durante todo o caminho foi agredido. Na sala, Pinheiros afirma ter sido torturado durante 40 minutos. Os seguranças utilizaram vários métodos de tortura, segundo o denunciante: desferiram socos e chutes, queimaram cigarros em sua pele, jogaram bebida e ameaçaram de estupro a vítima. As agressões só foram interrompidas quando um terceiro segurança apareceu na sala. A vítima contou que teve perfuração no pulmão, uma costela quebrada e nove trincadas. Além disso, foi liberado e escoltado até o seu carro pelos seguranças, apenas quando conseguiu ficar em pé.

O caso foi divulgado pelo R7 e Michael gravou um vídeo no Facebook sobre o caso.

O Drops de Jogos procurou a BGS. Eles nos enviaram a seguinte nota:

“A BGS lamenta profundamente que, após mais uma edição de sucesso, em que cerca de 300 mil visitantes se divertiram ao lado de seus amigos e familiares,  o evento seja envolvido em uma denúncia de agressão e violência contra um cosplayer. Desde segunda-feira, quando a BGS foi procurada pela advogada Daniela Conti, representando o senhor Michael Giordano Martins Pereira, estamos debruçados sobre o caso para, com a devida cautela, apurar e colaborar com os órgãos competentes para a elucidação dos fatos, sem julgamentos precipitados que possam comprometer os envolvidos, sejam o denunciante, os denunciados e a Brasil Game Show”.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments