Mentorama passa a oferecer cursos legendados deficientes auditivos

Instituição inicia processo que deve, em seis meses, legendar todos os 38 cursos voltados para a formação de profissionais para as áreas de gamedev, programação, design e marketing

Mentorama passa a oferecer cursos legendados deficientes auditivos. Foto: Divulgação

Recebemos a seguinte informação:

Com cursos online acessíveis para jovens que desejam construir carreiras na área de tecnologia ou profissionais que precisam atualizar seus conhecimentos, a Mentorama vai tornar suas aulas ainda mais acessíveis com a gradual introdução de legendas em todos seus 38 cursos ao longo dos próximos seis meses. Oleg Fomin, Country Manager da Mentorama, afirma que a iniciativa está alinhada com a missão de dar a oportunidade a todos aprenderem uma nova profissão e mudarem as suas vidas através de seus cursos. “A Mentorama, por ser um curso online no formato de mentoria, já possibilita que pessoas de qualquer cidade do Brasil, mesmo de cidades pequenas, possam ter acesso a uma educação transformadora. Mas se queremos dar acesso a todos, temos que ser acessíveis”, afirma o executivo.

Os pedidos de pessoas com necessidades especiais interessadas nos nossos cursos é constante e motivou a Mentorama a implementar um programa de acessibilidade. O primeiro curso que será legendado será os de Ciência de Dados, que é um dos cursos mais populares da Mentorama e que tem como mentores Jessika Ribeiro, mestre em matemática pura e coordenadora de Inteligência Artificial no Picpay, Rubens Bolgheroni, cientista de dados no Picpay, Catarina Zidde e Dimas Soares Lima, cientistas de dados na globo.com

Em casos de demandas específicas, o processo pode ser acelerado. “Se uma pessoa com deficiência auditiva quiser fazer um curso nosso que porventura não tenha legendas ainda, é só nos avisar que colocaremos legendas para ela”, assegura Oleg. O processo de introdução das legendas terá como a parceira a empresa Reshape.

A iniciativa não tem como objetivo incrementar o número de inscrições. “Não há foco comercial. Queremos ajudar esses portadores de deficiência a terem acesso a uma educação transformadora, que possa transformar uma pessoa vista como portadora de uma deficiência numa pessoa portadora de uma vantagem competitiva no mercado”, afirma Oleg. Segundo os dados com os quais a Mentorama trabalha, cerca de 5% da população brasileira é surda. Há um diálogo em curso com diversas instituições como a Deficiência Tech, Espiral Interativa (Web Para Todos) e da Ação Social para Igualdade das Diferenças para entender como a Mentorama pode ser uma plataforma de ensino 100% acessível a qualquer pessoa, incluindo os portadores de outras deficiências.

A Mentorama planeja em breve lançar edital para empresas que trabalham pela inclusão possam se inscrever para ganhar bolsas de estudos. “Queremos contemplar projetos que representam várias causas. Acreditamos que a nossa educação tem o poder de transformar vidas e dar “super poderes” a pessoas que geralmente são inferiorizadas no mercado, como deficientes, mulheres, negros, jovens carentes e pessoas idosas. Ou seja, queremos virar o jogo, ensinando uma profissão em alta no mercado para que essas pessoas que têm menos oportunidades no mercado possam ter mais oportunidades”, afirma Oleg.

LEIA MAIS – Conheça 17 empresas que estão definindo o futuro dos games brasileiros

Fatec’s Out é o game brasileiro de 2020 segundo a pesquisa Drops de Jogos/Geração Gamer

Opinião – Death Stranding é sobre futuro; Cyberpunk 2077 é passado. Por Pedro Zambarda

Veja o vídeo da semana acima.

Conheça mais sobre o trabalho do Drops de Jogos acima.

Veja mais sobre a Geek Conteúdo, a produtora da Rádio Geek, parceira do Drops de Jogos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.