Blizzard demite brasileiros e muda operação no Brasil e América Latina, diz site

Reportagem do The Enemy

Blizzard. Foto: Divulgação

Blizzard Entertainment demitiu nesta semana quase todo o time responsável por Brasil e América Latina.

Essas informações são de uma reportagem do The Enemy de Pablo Raphael e Victor Ferreira. Apenas o gerente de marketing da região permaneceu na empresa. De acordo com as fontes consultadas pelo site, a operação da Blizzard na região passou por uma reestruturação e alguns cargos em duplicidade com a Activision foram encerrados. Uma porta-voz da Blizzard entrou em contato para contestar essa informação, declarando: “mudanças de estrutura foram feitas, pensando em como podemos melhor atender os nossos jogadores e entregar-lhes os nossos jogos da maneira mais eficiente agora e no futuro”.

Jogos e serviços, como a Battle.net, continuarão tendo suporte e a agenda de lançamentos na região seguirá sem alterações para o usuário final. Todas as operações no país continuam, e a Blizzard continuará a ter representantes para a comunicação com a imprensa e comunidade no Brasil.

Essas mudanças não se limitam ao Brasil e ao mercado latino: todos os times pequenos da Blizzard estão sendo encerrados, explicou uma das fontes. As equipes da Activision e da Blizzard tem ações separadas independente da região. Procurada, a empresa enviou o seguinte pronunciamento:

“Os jogadores cada vez mais escolhem se conectar aos nossos jogos de forma digital. Tudo que fazemos é pela perspectiva de nossos jogadores, e neste último ano temos explorado como melhor podemos atender suas necessidades. Nossos times de América Latina tiveram que evoluir, se adaptando nesta mudança para melhor atender nossos jogadores e preparar a região para os próximos estágios de crescimento. Estamos tomando diversas medidas para dar suporte às pessoas afetadas.”

Na última terça (16), a Blizzard demitiu dezenas de funcionários de sua divisão de transmissões ao vivo e esports. Inicialmente, o número informado era de 50 pessoas afetadas pelos cortes, mas o jornalista Jason Schreier, da Bloomberg, indica que este número esta mais próximo de 2% da força de trabalho da Activision Blizzard, que seria equivalente a 190 pessoas.

Formada oficialmente em 2007, a Activision Blizzard foi resultado de uma fusão entre a Activision e a antiga divisão de games da Vivendi, que contava tanto com a Blizzard quanto com a Sierra Entertainment.

Inicialmente, a Blizzard contava com uma autonomia significativa em relação a sua contraparte, mantendo boa parte de sua chefia e filosofia de desenvolvimento. Dos últimos anos para cá, porém, é possível ver movimentos por parte da Activision para ter um controle maior quanto a assuntos relacionados à produtora de Diablo, Overwatch e World of Warcraft, pretendendo trazer uma escala de lançamentos e produtos mais constante do que o ritmo atual. A saída de veteranos e figuras icônicas dentro da companhia, como o chefe criativo Chris Metzen e os cofundadores Mike Morhaime e Frank Pearce, junto da inclusão de gerentes e chefia mais associados à parte da Activision dos negócios, só reforça que há uma reestruturação interna acontecendo, tornando a empresa mais homogênea.

A Activision hoje é, portanto, o lado mais dominante.

Vimos na reportagem do The Enemy.

LEIA MAIS – Conheça 17 empresas que estão definindo o futuro dos games brasileiros

Fatec’s Out é o game brasileiro de 2020 segundo a pesquisa Drops de Jogos/Geração Gamer

Opinião – Death Stranding é sobre futuro; Cyberpunk 2077 é passado. Por Pedro Zambarda

Veja o vídeo da semana acima.

Conheça mais sobre o trabalho do Drops de Jogos acima.

Veja mais sobre a Geek Conteúdo, a produtora da Rádio Geek, parceira do Drops de Jogos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments