Governo brasileiro aposta em jogo finlandês de alfabetização após corte em editais

Conheça o Graphogame

Governo brasileiro aposta em jogo finlandês de alfabetização após corte em editais. Foto: Divulgação

Governo Bolsonaro vai apostar em um jogo de alfabetização gratuito.

O projeto tem fins educacionais após o fechamento das escolas durante a pandemia do novo coronavírus. O MEC (Ministério da Educação) é cobrado por ações de apoio às redes de ensino. O nome do programa é Graphogame e foi desenvolvido por pesquisadores finlandeses.

O software foi adotado em países pobres como a Zâmbia. O desafio do programa no Brasil será alcançar as famílias de renda mais baixa, que sofrem mais com exclusão digital e também amargam os piores resultados educacionais. O governo Bolsonaro gastou R$ 105 mil com a licença do jogo, em contrato com o Instituto do Cérebro ligado à PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul).

O instituto é parceiro exclusivo da instituição finlandesa Grapho Group Oy para pesquisa e desenvolvimento da versão em português do Brasil.

MEC informou que investiu cerca de R$ 1,5 milhão em publicidade, com produção de filme e divulgação. “A adesão de professores e famílias é central para a efetividade da iniciativa, e o histórico de disponibilização do aplicativo em diversos países aponta para a importância do investimento em publicidade de massa para alcançar o público-alvo”, diz o Ministério da Educação em nota oficial. Programa estará disponível para download gratuito e não demandará conexão para o uso.

Não há previsão de licenciamento para professores acompanharem online a evolução das crianças, o que não é considerado crucial para a ferramenta, mas o Instituto do Cérebro fará um estudo de impacto ao longo de 12 meses, prazo de validade do contrato.

O Graphogame tem foco em crianças entre os quatro e os nove anos. O jogo envolve uma metodologia voltada para o desenvolvimento da consciência dos sons da língua oral e sua relação com as letras, processo classificado com instrução fônica, em ambiente, além de lúdico, também adaptativo (quando a criança acerta mais, fica mais difícil). Seu uso estará associado à política de alfabetização do MEC, chamada Tempo de Aprender. O MEC deve promover conexões do conteúdo do jogo com os materiais de apoio aos professores.

Dar acesso ao jogo será um desafio para o programa. Cerca de 250 mil alunos dos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano) precisam apenas de um chip para se conectar à internet. Mas outros 650 mil necessitam também do equipamento, seja celular, tablet ou computador, segundo nota técnica do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada), de agosto.

A iniciativa chama atenção por não envolver uma empresa brasileira e sim uma tradução internacional. E ocorre no mesmo ano de corte de mais de R$ 400 em edital de desenvolvimento de jogos em Brasília, informação dada com exclusividade pelo Drops de Jogos.

Será que é realmente um bom investimento para o mercado?

Com informações da reportagem de Paulo Saldaña na Folha de S.Paulo.

LEIA MAIS – Drops de Jogos discute como falar de games e política

“Metal Gear mistura guerra e narrativa surreal”, disse fã que tem braço biônico inspirado em Big Boss

Tony Hawk’s Pro Skater 1+2 com Charlie Brown Jr, uma resenha

Death Stranding, a resenha em tempos de coronavírus. Por Pedro Zambarda

Conheça o projeto Indie BR em 5

Veja o vídeo da semana acima.

Conheça mais sobre o trabalho do Drops de Jogos acima.

Veja mais sobre a Geek Conteúdo, a produtora da Rádio Geek, parceira do Drops de Jogos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.